top of page
Buscar

Intenção de compra cresce 32% na Black Friday 2023


Neste ano, a Black Friday será realizada na sexta-feira, 24 de novembro. Com a proximidade da data, a MField desenvolveu uma pesquisa com 2.300 participantes sobre a expectativa de compra durante o período e revelou um crescimento de 32,2% na população que pretende comprar na Black Friday 2023.


No ano passado, 43,4% compraram durante a data. Já neste ano, 75,6% pretendem fazer compras. Quando questionados sobre o canal escolhido para isso, 56,7% citaram lojas online; 18,6% lojas online e físicas e 3,9% exclusivamente em lojas físicas.


Apesar da alta intenção de compra, a situação financeira não é das melhores. 41,5% do público disse estar apertado – passando por um período difícil economicamente – mas ainda pretendem aproveitar as ofertas da Black Friday para economizar.


Perfil de consumo

Pensando nisso, os consumidores também estão pesquisando com antecedência. 32,8% começam a comparar preços um mês antes do evento; 27% o fazem durante a semana da Black Friday; e 25,1% pesquisam em cima da hora.


A pesquisa também está relacionada a uma desconfiança. 53,6% acreditam que os descontos da Black Friday não são verdadeiros e significativos. Os preços e promoções são também o fator principal na hora de decidir onde efetuar a compra (91,6%). Depois, aparecem frete grátis e prazo de entrega.


Intenção de compra

O setor campeão no interesse dos consumidores são os itens relacionados a moda e acessórios (39,3%), depois aparecem os eletrônicos (37,5%) e cosméticos (35,9%). Calçados (33,2%) e eletrodomésticos (31,5%).


Sobre ticket médio, 25% pretendem gastar entre R$ 151 e R$ 300. Já 24,2% vão limitar sua compra a até R$ 150. A principal forma de pagamento deve ser o cartão de crédito (76,9%), seguida pelo Pix (49,1%).


Varejo deve estar preparado

Varejistas apostam em antecipação de ofertas e reforço de estratégias de omnicanalidade e logística para a Black Friday 2023.


No ano passado, a Black Friday dividiu o final do segundo semestre com as eleições e a Copa do Mundo. Apesar de expectativas altas, o evento registrou uma queda de 14% no comércio eletrônico quando comparado com o ano anterior.


55% dos varejistas acreditam na melhora nas vendas deste ano e apostam em promoções para motivar o brasileiro a comprar. O mesmo estudo indica que 32,8% dos consumidores começam a comparar preços um mês antes do evento, contra apenas 25,1% pesquisam em cima da hora.


Com a dificuldade do crédito e a alta da taxa Selic, é possível que o consumidor busque garantir os melhores preços e facilidade no pagamento. “Esperamos que o brasileiro explore muito mais as formas de pagamento do que antes. Essa será uma Black Friday marcada pela forte presença do PIX e do crediário”, declara a diretora de marketing do Grupo Casas Bahia, que aposta em facilitar o acesso de brasileiros a bens de consumo de alto valor agregado.


Ainda que o e-commerce tenha tido uma relevância crescente nos últimos anos, é preciso ter um olhar atento para os pontos de venda físicos. Apesar disso, a tecnologia pode estar presente em ambos os momentos de compra.

Fonte:

https://www.meioemensagem.com.br/

Comments


bottom of page